Mocidade Independente de Padre Miguel

De WikiRio
Ir para: navegação, pesquisa

Mocidade

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel é uma das mais tradicionais e famosas escolas de samba da cidade do Rio de Janeiro e do Brasil. sendo localizada na Avenida Brasil, no bairro de Padre Miguel.

Foi fundada em 10 de novembro de 1955 por Sílvio Trindade, Renato da Silva, Djalma Rosa, Olímpio Bonifácio (Bronquinha), Orozimbo de Oliveira (Seu Orozimbo), Garibaldi F. Lima, Felipe de Souza (Pavão), Altamiro Menezes (Cambalhota) e Alfredo Briggs, a partir de um time de futebol amador da época, o Independente Futebol Clube. No entanto seu crescimento maior foi após os anos 1970, quando passou a ser patrocinada pelo bicheiro Castor de Andrade, seu grande torcedor.

Com um apelido nada sutil “Maracanã do samba”, a Mocidade Independente de Padre Miguel inaugura oficialmente sua nova quadra à beira da Avenida Brasil. Conquistada no dia 1 de setembro de 2012, a nova quadra da Mocidade é moderna e tem 33 mil metros quadrados, e capacidade para receber cerca de 12 mil pessoas. São quase 1.700 metros quadrados só de térreo, além de 28 camarotes no segundo andar, o maior deles com 32 metros quadrados e com capacidade para até 50 pessoas. Fora as duas mil vagas de estacionamento e das vagas exclusivas para convidados Vips (com acesso direto aos camarotes). Sendo assim, a Mocidade fica com o título de maior quadra entre todas as escolas de samba do Rio de Janeiro

Ficha técnica 2017

Mocidade
Escola-madrinha Beija-Flor
Informações gerais
Presidente Wandyr Trindade (Macumba)
Patrono Rogério de Andrade
Carnavalesco Alexandre Louzada
Edson Pereira
Interprete oficial Wander Pires
Diretor de carnaval Marquinho Marino
Diretor de harmonia Walace Capoeira
Robson Veloso
Diretor de bateria Mestre Dudu
Rainha de bateria Camila Silva
Mestre-sala e porta-bandeira Diogo Jesus e Cristiane Caldas
Coreógrafo Jorge Teixeira e Saulo Filemon

História

Em 1955, o time de futebol Independente Futebol Clube transformara-se em bloco, participando de um concurso de blocos em Padre Miguel, promovido pelo falecido político Waldemar Vianna de Carvalho. Como houve um empate entre a Mocidade Independente e o Unidos de Padre Miguel, Waldemar resolveu as coisas de modo diplomático, considerando a Mocidade uma escola de samba e dando-lhe o primeiro lugar na categoria, premiando assim o Unidos de Padre Miguel como melhor bloco.

Em 1956, apresentou o enredo "Castro Alves", novamente num desfile local. Em 1957, na praça onze, participou pela primeira vez do desfile oficial no Rio de Janeiro, com o enredo "O Baile das Rosas" conquistando o 5° lugar no grupo de acesso. Em 1958 foi campeã do grupo de acesso com o enredo "Apoteose ao Samba", mas o que realmente marcou esse carnaval foi que nele foi realizado, pela primeira vez sob o comando de Mestre André, a célebre "paradinha da bateria" em frente à comissão julgadora. O povo então foi ao delírio, mais tarde, a acompanhar a tal "bossa" com o grito de "Olé". Durante este período, a Mocidade era conhecida como "uma bateria que carregava a escola nas costas", pois a bateria era mais conhecida do que a própria escola, só alguns anos depois teve condições de competir com as grandes da época (Portela, Mangueira, Salgueiro, e Império Serrano). A partir da "paradinha" feita por Mestre André, a "paradinha" foi aderida anos depois pelas outras escolas de samba, e hoje em dia todas as baterias das escolas de samba do Rio de Janeiro e do Brasil a fazem.

No ano de 1974, com o carnavalesco Arlindo Rodrigues, apresentou o enredo "A festa do Divino", tirando um 5° lugar. Mas neste ano ela poderia ter ganhado o campeonato, se não tirasse uma nota 4 em fantasia - o que foi considerado um escândalo, na época, visto que Arlindo era conhecido e consagrado pelo bom gosto e requinte nas fantasias. A campeã Salgueiro teve apenas 4 pontos a mais que a Mocidade, ou seja, um simples 8 em fantasias daria o título à Padre Miguel, visto que no quesito de desempate, bateria, o Salgueiro tinha 9 e a Mocidade 10.

Desde então, a escola deixava de ser conhecida apenas por sua bateria, para impor-se como grande escola de samba. Em 1975, a Mocidade vence pela primeira vez as "quatro grandes", num desfile realizado em outubro durante o congresso da ASTA - American Society of Travel Agents, no Rio de Janeiro, em que as escolas do grupo principal realizaram um desfile competitivo, a Mocidade foi campeã.

Em 1976, por ironia, a Mocidade empatou em segundo lugar, com a Mangueira, e perdeu o desempate por ter um ponto a menos na nota da tão famosa bateria nota 10. Em 1979, ainda com Arlindo Rodrigues, a Mocidade conquista o seu primeiro campeonato com "O Descobrimento do Brasil".

No ano seguinte, assumiu o carnaval Fernando Pinto, produzindo desfiles excepcionais na Mocidade e projetando-se como um dos mais criativos e inventivos carnavalescos já conhecidos.

No primeiro ano de Fernando Pinto na Mocidade, em 1980, a escola conquistou um segundo lugar com o enredo "Tropicália Maravilha". Em 1983, a Mocidade recebe o Estandarte de Ouro de melhor comunicação com o público com o enredo "Como era verde o meu Xingu". Fernando permaneceu na escola até 1988 e fez grandes carnavais na Mocidade na década de 1980: além de "Tupinicópolis", deu à escola o título de 1985, com "Ziriguidum 2001". Nesse carnaval, a Mocidade entraria na Avenida com um enredo futurista, projetando o carnaval do próximo século. Era Renato Lage e morte de Castor de Andrade

Em 90, a Mocidade passaria ao comando de Renato Lage, que consagrou a escola em três anos: em 90, contando sua própria história ("Vira Virou, a Mocidade Chegou"); em 91, falando sobre a água ("Chuê, Chuá… As Águas Vão Rolar"); e em 96, com um enredo sobre a relação entre o homem e Deus ("Criador e Criatura").

Em 1997, a Mocidade perdeu seu patrono, Castor de Andrade. Dois anos depois, a escola fez um desfile primoroso, com uma homenagem à Villa-Lobos, com o enredo "Villa-Lobos e a Apoteose Brasileira". O público vibrou com o desfile. Porém, neste ano, uma decepção aconteceu: a Mocidade, que sempre se concentrou ao lado dos Correios, precisou se concentrar em frente ao edifício conhecido como "Balança Mas Não Cai", perto do qual há um viaduto que frequentemente atrapalha as alegorias das escolas que ali se concentram. No caso da Mocidade, a escola demorou demais a por os destaques nos grandes carros alegóricos e abriu um enorme buraco entre os setores 1 e 3, logo no começo da passarela. Apesar da grande falha, certamente foi a campeã para muita gente que viu e se emocionou com aquele belíssimo desfile.[carece de fontes]

Em 2000, a Mocidade veio literalmente vestida com as cores do Brasil, apresentando o enredo "Verde, Amarelo, Azul-Anil Colorem o Brasil no Ano 2000". O belíssimo e imponente carro abre-alas, uma imensa nave espacial dos índios do futuro, deu uma amostra do que seria a escola. A Mocidade passou muito bem, mas o samba-enredo arrastado impediu que a escola decolasse e atingisse colocações melhores. Mesmo assim, ficou em um honroso quarto lugar, credenciando-se ao Desfile das Campeãs.

Em 2001, A Mocidade Contrata David Do Pandeiro Que Estava Na Tijuca Para Substituir O Paulo Henrique A Escola Falou Sobre A Paz E A Harmonia Mesmo A Escola Desfilando Bem Com a Bateria Vestido De Gandhi No Comando Do Falecido Mestre Coé Que Até Garantiu o Estandarte De Ouro Como Melhor Bateria e O Tande Desfilou Naquele Ano Nos Tamborins, Porém Para os Jurados Não Foi o Suficiente A Escola Acabou Ficando Em 7* Lugar Com 287. Ficando Fora Das Campeãs

Em 2002 A Escola Recontrata o Cantor Wander Pires A Escola Levou o Enredo (O GRANDE CIRCO MISTÍCO)o Desfile Fez o Público Das Arquibancadas Cantarem E Levar o Grito De É Campeá No Final Disso A Escola Ficou Em 4* Lugar e Após o carnaval de 2002, Renato Lage deixou a escola. Depois da era Renato Lage

Em 2003 e 2004, assumiu o carnavalesco Chico Spinoza, que levou para a avenida enredos de cunho social, como doação de órgãos e educação no trânsito, a escola ficou com o 4° e 8° lugar. Em 2005, com a mudança da diretoria, a Mocidade contrata um carnavalesco de característica clássica, Paulo Menezes. Seu carnaval fez lembrar as formas de Arlindo Rodrigues, porém a escola terminou na 9ª colocação. Em 2006, entra Mauro Quintaes, com o carnaval sobre os 50 anos da escola, porém a escola não teve novamente uma boa colocação, inclusive sendo vaiada no setor 1 terminando na 10ª colocação.

Ainda em 2006, no mês de outubro, a Mocidade Independente de Padre Miguel encerrou o show do grupo mexicano RBD, onde o grupo sambou junto com a escola, que foi bastante aplaudida, tendo o show sido posteriormente lançado em DVD, intitulado Live in Rio.

No ano de 2007 entra outro carnavalesco, Alex de Souza, que contou a história do artesanato terminando na pior colocação desde a era Castor de Andrade, na 11º colocação. Para 2008, a escola trocou outra vez de carnavalesco, desta vez trouxe Cid Carvalho, que com um enredo temático dos 200 anos da chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil, consegue melhorar um pouco em relação ao carnaval passado, na 8ª colocação.

Para 2009 a escola trouxe de volta Wander Pires como sua voz oficial e Mestre Jonas. Além disso, o carnavalesco Cláudio Cebola, que fazia parte da comissão de carnaval, foi promovido a carnavalesco oficial10 . O enredo, a princípio seria uma homenagem ao centenário da morte do escritor Machado de Assis, mas foi posteriormente alterado, com a inclusão também de Guimarães Rosa no tema, sendo um completo fiasco. Última escola do Grupo Especial a definir seu samba para 2009, a Mocidade enfrentou algumas polêmicas nesse processo, quando escolheu um samba com características pouco convencionais e que era preterido pela maioria da comunidade

Para 2010 a escola trouxe de volta carnavalesco Cid Carvalho, David do Pandeiro - que dividiu o posto de intérprete com Nêgo11 - e estreou Bêreco como diretor de bateria. Nesse ano, mostrou o enredo Do paraíso de Deus ao paraíso da loucura, cada um sabe o que procura, conseguindo melhorar uma posição em relação ao carnaval anterior.

No ano de 2011, a Mocidade continuou com Cid Carvalho como carnavalesco, Nêgo como cantor oficial, junto com Rixxah e falou sobre a história da agricultura e da agropecuária, com o enredo A Parábola dos Divinos Semeadores. O enredo foi de difícil interpretação, além de não ser bem desenvolvido durante o desfile. Rogério Andrade, filho de Castor, se tornou o presidente de honra da escola. tendo sua mulher Andrea, como rainha de bateria. mesmo com alegorias e fantasias superiores aos últimos anos, a escola não mostrou bom nível de desfile, ficando aquém das outras agremiações na 7° colocação.

Para 2012 a Mocidade trouxe como carnavalesco Alexandre Louzada, o grande campeão do carnaval 2011 e o intérprete Luizinho Andanças (ex-Porto da Pedra). Trouxe também a Superdireção de Bateria, idealizada por Andrezinho (ex-Grupo Molejo), na qual além do próprio contará com o atual diretor de bateria (Mestre Berêco) e Mestre Dudu, tendo como rainha de bateria Antônia Fontenelle. A escola apresentou o enredo "Por ti, Portinari. Rompendo a tela, à realidade". Um desfile grandioso, superior aos dos últimos anos, com um grande acabamento plástico. Porém, a escola terminou na 9ª colocação.

Antes do carnaval 2012, a verde e branco de Padre Miguel foi a primeira escola a definir seu tema para 2013, que será sobre o Rock In Rio, sendo definido num encontro com o presidente da escola (Paulo Vianna), o carnavalesco Alexandre Louzada com o idealzador do festival Roberto Medina, com o título "Eu vou de Mocidade com samba e Rock in Rio - Por um mundo melhor". mostrando alegorias e fantasias com materiais alternativos. A bateria, apesar da ótima apresentação, recebeu apenas uma Nota 10. Terminando em 11º Lugar, com 293.5, escapando por pouco do rebaixamento.

Para 2014 a escola trouxe de volta Rogerinho e Lucinha Nobre, como mestre-sala e porta-bandeira e Paulo Menezes, como carnavalesco. Além de mudanças no comissão de frente, direção de carnaval e harmonia. Tendo o enredo "Pernambucópolis" numa referência direta ao enredo “Tupinicópolis”, de 1987. onde o carnavalesco Fernando Pinto, voltar a Pernambuco num olhar cultural da terra. na final de samba-enredo, a pareceria do cantor Dudu Nobre venceu arrasadoramente as outras parcerias. tendo nessa final, a coroação da nova rainha de bateria (Ana Paula Evangelista) e a última participação de Luizinho Andanças, que dias depois, foi demitido. retornando Bruno Ribas que faz dupla com o cantor Dudu Nobre.

Perto do carnaval, o presidente Paulo Vianna foi afastado temporariamente pela justiça por irregularidades e má administração. tendo seu vice Wandyr Trindade, mais conhecido como Macumba35 36 , assumindo a presidência, já trocando de rainha de bateria que na visão da nova direção, Ana Paula Evangelista era indicação do novo antigo presidente. além de Rogério Andrade, que manda de vez, como patrono da escola.

Em 2015, a escola que tem Rogério Andrade, no poder embora sendo patrono. mudou ao fazer a contratação do melhor carnavalesco da atualidade Paulo Barros ao retirar-ló da campeã de 2014 (Unidos da Tijuca). Além disso, trouxe os coreógrafos Jorge Teixeira e Saulo Finelon, responsáveis pela surpreendente apresentação na Grande Rio. Lucinha Nobre permaneceu na agremiação, agora como novo parceiro Diego Jesus. com o enredo sobre o Fim do mundo. no ano seguinte apresentou um desfile ruim, ao terminar na 10º colocação. apesar disso, Alexandre Louzada e Edson Pereira foram mantidos como carnavalescos, pra 2017.

Segmentos

Presidentes

Presidente
Nome Mandato
Sílvio Trindade (Tio Vivinho) 1957-1960
Ariodantino Vieira (Tio Dengo) 1961-1962
Orozimbo de Oliveira 1963-1964
José Pereira da Silva 1965
Gérson Lopes de Souza 1966
Olímpio Corrêa 1967-1968
Nairton Chaves 1969
Olímpio Corrêa 1970
Nairton Chaves 1971
Ademir da Costa Pereira 1972-1973
Osman Pereira Leite 1974-1979
Nélson Pinto de Almeida Costa 1980-1981
Olímpio Corrêa 1982
Nélson Pinto de Almeida Costa 1983-1984
Olímpio Corrêa 1985
Nélson Pinto de Almeida Costa 1986
Paulo de Andrade 1987
Olímpio Corrêa 1988-1992
Américo Siqueira Filho 1993
José Roberto Tenório 1994-1995
Jorge Pedro Rodrigues 1996-1998
José Roberto Tenório 1999-2001
Paulo Vianna 2002
José Roberto Tenório 2002-2004
Paulo Vianna 2004-2014
Vô Macumba 2014-atual
Presidentes de honra
Nome Mandato
Castor de Andrade 1980-1997
Rogério de Andrade 2010-atual

Corte da bateria

Rainha de bateria
1980-1982 Adele Fátima
1983 Wilma Dias
1995 Fátima Tenório
2000-2001 Mônica Paulo
2002-2006 Viviane Araújo
2007-2010 Thatiana Pagung
2011 Andrea de Andrade
2012 Antônia Fontenelle
2013 Camila Silva
2014 Mariana Rios
2015-2016 Claudia Leitte
2017- Camila Silva
Rainha de bateria
1984-1987 Monique Evans
2003 Raquel Blanc
2007 Janaína Barbosa
2010 Elza Soares

Enredos

Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco(s) Intérprete
1956 Padre Miguel Castro Alves
1957 5º lugar 2 O Baile das Rosas Ari de Lima
1958 Campeã 2 Apoteose do Samba Ari de Lima
1959 5º lugar 1 Os Três Vultos que Ficaram na História Ari de Lima
1960 3º lugar 1 Frases célebres Ari de Lima
1961 7º lugar 1 Carnaval no Rio Ari de Lima
1962 5º lugar 1 Brasil no campo cultural Ari de Lima
1963 6º lugar 1 As Minas Gerais Ari de Lima
1964 7º lugar 1 O Cacho da Banana Ari de Lima
1965 6º lugar 1 Parabéns para Você, Rio Luís Gardel
1966 6º lugar 1 Academia Brasileira de Letras Guilherme Martins e Alfredo Brigs
1967 7º lugar 1 História do Teatro Através dos Tempos Poty
1968 6º lugar 1 Viagem Pitoresca Através do Brasil Mário Monteiro Tôco
1969 7º lugar 1 Vida e Glória de Francisco Adolfo Varnhagen Guilherme Martins e Alfredo Brigs Tôco
1970 4º lugar 1 Meu Pé de Laranja Lima Gabriel Nascimento e Ari de Castro Tôco
1971 9º lugar 1 Rapsódia de Saudade Clóvis Bornay Jurandir Melo
1972 7º lugar 1 Rainha Mestiça em Tempo de Lundu Clóvis Bornay Jurandir Melo
1973 7º lugar 1 Rio Zé Pereira Arlindo Rodrigues Tião da Roça
1974 5º lugar 1 A Festa do Divino Arlindo Rodrigues Ney Vianna
1975 4º lugar 1 O Mundo Fantástico do Uirapurú Arlindo Rodrigues Ney Vianna
1976 3º lugar 1 Mãe Menininha do Gantois Arlindo Rodrigues Ney Vianna
1977 8º lugar 1 Samba Marca Registrada Augusto Henrique (Gugu) Ney Vianna
1978 3º lugar 1 Brasiliana Arlindo Rodrigues Ney Vianna
1979 Campeã 1-A O Descobrimento do Brasil Arlindo Rodrigues Ney Vianna
1980 Vice-Campeã 1-A Tropicália Maravilha Fernando Pinto Ney Vianna
1981 6° lugar 1-A Abram Alas para a Folia, aí vem a Mocidade Comissão de Carnaval Ney Vianna
Ecila Cirne, Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo
1982 7º lugar 1-A O Velho Chico Maria Carmem de Souza Ney Vianna
1983 6º lugar 1-A Como era Verde meu Xingu Fernando Pinto Ney Vianna
1984 Vice-Campeã 1-A Mamãe eu quero Manaus Fernando Pinto Aroldo Melodia
1985 Campeã 1-A Ziriguidum 2001, um carnaval nas estrelas Fernando Pinto Ney Vianna
1986 7º lugar 1-A Bruxarias e histórias do arco da velha Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo Ney Vianna
1987 Vice-Campeã 1-A Tupinicópolis Fernando Pinto Ney Vianna
1988 8° lugar 1 Beijim, beijim, bye, bye Brasil Fernando Pinto e Cláudio Peixoto Ney Vianna
1989 7º lugar 1 Elis, um trem de emoções Ely Peron e Rogério Figueiredo Ney Vianna
1990 Campeã Especial Vira, Virou, A Mocidade Chegou Renato Lage e Lilian Rabelo Paulinho Mocidade
1991 Campeã Especial Chuê, Chuá, As águas vão rolar Renato Lage e Lilian Rabelo Paulinho Mocidade
1992 Vice-campeã Especial Sonhar não custa nada, ou quase nada Renato Lage e Lilian Rabelo Paulinho Mocidade
1993 4° lugar Especial Marraio feridô sou rei Renato Lage Paulinho Mocidade
1994 8°lugar Especial Avenida Brasil - Tudo passa, quem não viu? Renato Lage Wander Pires
1995 4° lugar Especial Padre Miguel, olhai por nós Renato Lage Wander Pires
1996 Campeã Especial Criador e Criatura Renato Lage Wander Pires
1997 Vice-campeã Especial De corpo e alma na avenida Renato Lage Wander Pires
1998 6º lugar Especial Brilha no céu a estrela que me faz sonhar Renato Lage Wander Pires
1999 4° lugar Especial Villa Lobos e a Apoteose Brasileira Renato Lage Wander Pires
2000 4° lugar Especial Verde, amarelo, azul-anil, colorem o Brasil no ano 2000 Renato Lage Paulo Henrique
2001 7° lugar Especial Paz e harmonia, Mocidade é alegria Renato Lage David do Pandeiro
2002 4° lugar Especial O Grande Circo Místico Renato Lage e Márcia Lávia Wander Pires
2003 5º lugar Especial Para sempre no seu coração - Carnaval da doação Chico Spinoza Paulinho Mocidade
2004 8º lugar Especial Não Corra, Não Mate, Não Morra - Pegue Carona Com a Mocidade! Educação No Trânsito Chico Spinoza Paulinho Mocidade
2005 9º lugar Especial Buon Mangiare, Mocidade! A Arte Está na Mesa Paulo Menezes Roger Linhares
2006 10° lugar Especial A Vida Que Pedi a Deus Mauro Quintaes Wander Pires
2007 11°lugar Especial O Futuro no Pretérito, Uma História Feita à Mão Alex de Souza Bruno Ribas
2008 8ºlugar Especial O Quinto Império: De Portugal ao Brasil, uma Utopia na História Cid Carvalho Bruno Ribas
2009 11° lugar Especial Mocidade apresenta: Clube Literário Machado de Assis e Guimarães Rosa, estrela em poesia! Cebola Wander Pires
2010 7ºlugar Especial Do paraíso de Deus ao paraíso da loucura, cada um sabe o que procura Cid Carvalho David do Pandeiro e Nêgo
2011 7ºlugar Especial Parábola dos Divinos Semeadores Cid Carvalho Nêgo e Rixxah
2012 9º lugar Especial Por Ti, Portinari, Rompendo a Tela, a Realidade Alexandre Louzada Luizinho Andanças
2013 11º lugar Especial Eu vou de Mocidade com samba e Rock in Rio, por um mundo melhor Alexandre Louzada Luizinho Andanças
2014 9º lugar Especial Pernambucópolis Paulo Menezes Bruno Ribas e Dudu Nobre
2015 7° lugar Especial Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria se só lhe restasse um dia? Paulo Barros Bruno Ribas
2016 10º lugar Especial O Brasil de La Mancha: Sou Miguel, Padre Miguel. Sou Cervantes, Sou Quixote Cavaleiro, Pixote Brasileiro Alexandre Louzada e Edson Pereira Bruno Ribas
2017 Especial As mil e uma noites de uma 'Mocidade' pra lá de Marrakech Alexandre Louzada e Edson Pereira Wander Pires


Endereço

Avenida Brasil, 31.146 - Padre Miguel (Zona Oeste) - Rio de Janeiro
Carregando mapa...

Eventos

  • Ensaios aos Sábados, as 22:00 horas.
  • Ensaios da bateria: segunda-feira as 20:00 horas.

Mais informações

  • Site: [http://]
  • Telefone: (21)
  • Barracão de Alegorias: Cidade do Samba - Rua Rivadávia Correa, 60 – Gamboa, Rio de Janeiro

Escolas de samba do Rio de Janeiro 2017

Grupo Especial
Domingo: Paraíso do TuiutiGrande RioImperatrizVila IsabelSalgueiroBeija-Flor

Segunda: União da IlhaSão ClementeMocidadeUnidos da TijucaPortelaMangueira
Série A
Sexta: SossegoAlegriaViradouroImpério da TijucaParque CuricicaEstácioSanta Cruz

Sábado:RocinhaCubangoInocentesImpério SerranoUnidos de Padre MiguelRenascerPorto da Pedra
Série B
Terça: Vizinha FaladeiraCaprichososJacarezinhoCabuçuEngenho da RainhaTradiçãoPonteLeãoFavoEm Cima da HoraSanta MartaArameUnidos de Bangu
Série C
Segunda: Vila KennedyArrancoUnião de JacarepaguáBoca de SiriArrastãoLins ImperialVargensVigário GeralUnião de MaricáFlor da MinaCoroadoVila Santa TerezaSerenoLucas
Série D
Domingo: Alegria do VilarDendêVilla RicaMocidade da Cidade de DeusChatubaRosa de OuroManguinhosMocidade de InhaúmaNação InsulanaImpério da UvaDifícil é o NomeTupy de Brás de PinaCosmosAbolição
Série E
Sábado das Campeãs: Feitiço do RioAmarelinhoUnidos do SalgueiroJardim BanguCabralEmbalo CariocaGatoImpério RicardenseChora na RampaColibriBoêmios de InhaúmaPilaresDelírioMadureiraBoi da Ilha
Outros

ResultadosEnsaios técnicosDiscografiaCampeãs (EspecialSérie A - B - C - D - E)